Certa feita… Causos do Vale do Mucuri

por

O livro “Certa feita… – Causos do Vale do Mucuri” reúne causos engraçados que o autor recolheu em sua região natal, o Vale do Mucuri, MG, em sua andanças com a Viola Caipira quando fazia apresentações musicais, até se mudar para a capital mineira, Belo Horizonte. A obra conta com o prefácio do apresentador e humorista Saulo Laranjeira, e com cerca de 100 causos acontecidos ou “semi acontecidos” envolvendo pessoas folclóricas, políticos, velórios, bêbados, brigas e costumes, lendas e tradições.

Lançamento

Coisas e não coisas

Coisas e não coisas é uma obra composta por 101 poemas, reunidos em 7 capítulos temáticos, todos permeados pela sensibilidade e escrita afiada de Joaquim Celso Freire, levando o leitor a um mundo vívido de percepções e reflexões, deflagradas pela centelha concisa de seus versos. Os poemas, em sua grande maioria, foram gestados ao longo da pandemia, envoltos em pensamentos sobre contradições políticas, as relações humanas, a natureza e o desgaste desses ambientes.

Contos e Descontos

Os “Contos” são calendários de emoção, viagens imaginárias que o próprio autor empreende e que toma emprestado de outros. Os “Descontos” são artigos, traduções dos pensamentos sobre o dia-a-dia, os anos vividos… uma viagem no tempo enquanto estende um convite ao leitor para se encontrar nesse tempo.

Lançamento

Do Sigiloso

Em Do sigiloso, Anelito de Oliveira reúne cinco interlocuções críticas com a poesia de João Evangelista Rodrigues, mineiro nascido na cidade de Arcos em 1948 e em plena atividade, vivendo no momento em Japaraíba, região Oeste das Minas.

 

Todos os trabalhos foram demandados no bojo de uma convivência “na poesia”, como posfácio, prefácio, análise, resenha e entrevista, e representam, sobretudo, o esforço de um jovem crítico de compreender, de modo criterioso – algo bastante raro -, o trabalho de um poeta significativo especialmente na poesia mineira contemporânea.
Lançamento

Jequitinhonha – Antologia Poética

A manhã chega ao Vale do Jequitinhonha, nas asas da poesia. E a terra acorda. E se ouve os primeiros murmúrios, canoas que descem o rio nas palavras dos homens. Dos quatro cantos do Vale, cinco cantos se apresentam. Cinco poetas cantam nas páginas de “Jequitinhonha – Antologia Poética” a cumplicidade que o amor reserva aos arautos do seu tempo. A terra envolvendo os poemas em mantos de sonho. A palavra mantendo seu vínculo ancestral com o destino obscuro das coisas do mundo. Sobretudo, mudá-las. O pacto do poeta.

Entende-se “Jequitinhonha – Antologia Poética” como se do livro emergisse o Vale, naufragado no escuro esquecimento da miséria. Entende-se o canto obstinado dos poetas de uma terra afligida em dores. Como se essas dores fossem um parto: o parto da poesia. Parto de um livro. Parto da resistência digna de homens que vivem a sonhar continuamente seu tempo.

Lançamento

Jequitinhonha – Antologia Poética II

A manhã chega ao Vale do Jequitinhonha, nas asas da poesia. E a terra acorda. E se ouve os primeiros murmúrios, canoas que descem o rio nas palavras dos homens. Dos quatro cantos do Vale, cinco cantos se apresentam. Cinco poetas cantam nas páginas de “Jequitinhonha – Antologia Poética” a cumplicidade que o amor reserva aos arautos do seu tempo. A terra envolvendo os poemas em mantos de sonho. A palavra mantendo seu vínculo ancestral com o destino obscuro das coisas do mundo. Sobretudo, mudá-las. O pacto do poeta.

Entende-se “Jequitinhonha – Antologia Poética” como se do livro emergisse o Vale, naufragado no escuro esquecimento da miséria. Entende-se o canto obstinado dos poetas de uma terra afligida em dores. Como se essas dores fossem um parto: o parto da poesia. Parto de um livro. Parto da resistência digna de homens que vivem a sonhar continuamente seu tempo.

Lançamento

Jequitinhonha – Antologia Poética III

A manhã chega ao Vale do Jequitinhonha, nas asas da poesia. E a terra acorda. E se ouve os primeiros murmúrios, canoas que descem o rio nas palavras dos homens. Dos quatro cantos do Vale, cinco cantos se apresentam. Cinco poetas cantam nas páginas de “Jequitinhonha – Antologia Poética” a cumplicidade que o amor reserva aos arautos do seu tempo. A terra envolvendo os poemas em mantos de sonho. A palavra mantendo seu vínculo ancestral com o destino obscuro das coisas do mundo. Sobretudo, mudá-las. O pacto do poeta.

Entende-se “Jequitinhonha – Antologia Poética” como se do livro emergisse o Vale, naufragado no escuro esquecimento da miséria. Entende-se o canto obstinado dos poetas de uma terra afligida em dores. Como se essas dores fossem um parto: o parto da poesia. Parto de um livro. Parto da resistência digna de homens que vivem a sonhar continuamente seu tempo.

Lançamento

O mais tardar do amanhã

“A vida é agradável, claro que não é o ideal. A morte deve ser pacifica, serena e tranquila. O que incomoda é o medo do desconhecido. A ideia de deixar de existir não é fácil. Essa transição, entre a vida e a morte, é de cortar o coração de um bom vivente que se recusa a partir.”

Será que foi assim?

Será que foi assim é um tentativa de reescrever a história, com estórias, a partir de uma viagem do imaginário com fatos desenhados pelo próprio autor. Sua pretensão é a de poder criar um mundo próprio, só seu. Nessa viagem, imaginou personagens, diálogos, futuros, passados e presentes. Qual a verdade? O que realmente aconteceu? O publicado? O highly classified? Na verdade, mesmo, a verdadeira versão é a de Antenor Leal. E a que o leitor imaginar. Mas juntos, convida o autor.

Trilogia da Aldeia

Toda cidade do interior tem seus causos e personagens. São tantas histórias que multiplicariam nossa literatura se transformadas em livros. Matutos, cabocos, coronéis, prostitutas (ou mulheres da vida), o bom de bola, o perna de pau, o valentão, o frouxo, os políticos, etc. Trilogia da Aldeia é a transformação do tempo em palavra, organizada em suas nuances, concordâncias, metáforas e discordâncias para defender na linha de frente sua Aldeia, contar histórias de sua gente. Como diz o autor Zé Miranda, “muito antes de respirar literatura, minha Aldeia já era meu oxigênio”. O leitor está convidado a mergulhar nessas incontáveis Minas Gerais, descobrir um pouco desse pedaço de chão-Brasil, a “Aldeia” Joaíma incrustada no coração do vale do Jequitinhonha.

Veia Latina

Veia Latina faz uma viagem lírica pela América Latina, dos pampas aos trópicos, através de 35 poemas bilíngues, traduzidos para o espanhol pela escritora uruguaia Patrícia Rodríguez Aguiar, escritos em diferentes épocas, que buscam recriar a atmosfera das décadas de 1960 e 1970, quando muitos países da região viviam sob ditaduras. Ao iluminar as obscuras lembranças daquele período, João Evangelista homenageia grandes poetas, escritores e militantes e tece, como um artesão da palavra, um manifesto.de amor pelos povos latino-americanos e a sua história.

Lançamento

Visões de João Manoel: a dupla imagem da poesia

Difícil fotografar o silêncio… é indeterminado, é de todos, é para todos. Um espaço comum e individual. Amplo e restrito. Para João Manoel ou para o infinito. É o diálogo entre a imagem e a palavra. Nas fotografias que acompanham os poemas a interação do homem e de sua obra.